Skip to content

O OEE como indicador-chave do Lean Manufacturing

Sqédio by Ibermática | O OEE como indicador-chave do Lean Manufacturing

O OEE ou Overall Equipment Effectiveness é o indicador-chave do modelo de Lean Manufacturing ou Lean Production. Em concreto, o Lean Manufacturing é uma metodologia integrada da Indústria 4.0, que tem como objetivo a otimização da produção e melhoria contínua, eliminando desperdícios e atividades sem valor acrescentado.

O que é o OEE?

Num contexto de melhoria contínua, as empresas 4.0 desenvolvem a sua estratégia com base em dados em tempo real e, consequentemente, as decisões são tomadas com base nestes. Neste âmbito, o OEE é o indicador mais comum para medir a eficiência e produtividade das fábricas.

 

O OEE ou Overall Equipment Effectiveness identifica a % de tempo de produção planeado que é realmente produtivo. Por exemplo, um OEE de 100% representa uma produção de excelência: são produzidas apenas peças de boa qualidade, o mais rapidamente possível e sem perdas de tempo em paragens.

A importância do OEE

Fundamentalmente, o OEE tem duas funções:

 

  • indicador da melhoria da empresa ao longo do tempo, no que diz respeito a redução de desperdícios;
  • indicador externo que permite comparar vs. as melhores práticas da indústria vs. outros ativos da empresa ou entre turnos ou entre equipamentos do mesmo ativo.

OEE Score

Um OEE:

  • de 100% representa uma produção de excelência: são produzidas apenas peças de boa qualidade, o mais rapidamente possível e sem perdas de tempo em paragens;
  • acima de 85%, estamos em presença de um OEE considerado “Muito bom” para as indústrias de produção em série; a largo prazo, é um bom objetivo para a maioria das empresas;
  • por volta dos 60%, temos um OEE considerado standard, ou seja, refere-se aos valores comummente apresentados na indústria; e também quer dizer que existem diversas opções de melhoria;
  • pelos 40%, habitualmente, diz respeito a empresas que estão a iniciar o seu caminho rumo à Indústria 4.0 e, assim, começam a medir e monitorizar indicadores de eficiência e produtividade; as melhorias são geralmente rápidas.
Sqédio by Ibermática | OEE - Score benchmarking

Em seguida, iremos analisar como efetuar o cálculo do OEE e os fatores que contribuem para a sua melhoria ou perda de eficiência. Em rigor, consideram-se 3 fatores:

  • disponibilidade;
  • desempenho;
  •  qualidade.

Ainda, abordaremos o consumo de recursos ou matérias-primas.

OEE - Como medir a produtividade? O que influencia a produtividade?

Nas unidades industriais, o indicador por excelência da produtividade é o OEE, uma vez que inclui todos os conceitos que influenciam o tempo de processo: disponibilidade, desempenho e qualidade.

Disponibilidade

Inclui todo o tipo de paragens, ou seja, as circunstâncias que fazem com que o sistema não esteja em funcionamento, como: avarias, falta de material, ajustes ou arranques

Desempenho

Compara a diferença entre os tempos teóricos ou previstos e os tempos reais.

Qualidade

No âmbito do tempo de produção, permite saber quanto tempo estivemos a produzir com defeitos.

Em concreto, o OEE é um conceito muito útil no que se refere à gestão do tempo, mas será sempre necessário considerar também o consumo de recursos, dado que também afeta a produtividade.

Produtividade - como melhorar o consumo de recursos, os tempos de produção e os tempos das paragens?

A produtividade é influenciada pelo consumo de recursos materiais e de tempo.

  1. Consumo de Recursos

Para melhorar a produtividade no que diz respeito a consumo de recursos, será necessário otimizar o consumo teórico, através da melhoria dos processos. Em seguida, devemos apurar (rastreabilidade) se o consumo real corresponde ao consumo teórico. Assim, conhecendo os valores reais, deveremos definir as ações futuras que permitirão alcançar os valores teóricos.

 

  1. Tempos de Produção

Quanto aos tempos de produção, devemos considerar dois tipos de perdas:

  1. os tempos de produção não adequada;
  2. os tempos de paragem.
Tempos de Produção Não Adequada

Os tempos de produção não adequada podem dever-se a duas razões:

  1. produção com defeitos;
  2. produção lenta.

Neste sentido, os procedimentos de qualidade devem ser revistos para assegurar os níveis definidos.

Para este efeito, dispomos de ferramentas como:

  • SPC (Statistical Process Control) ou controlo estatístico – indica quando efetuar ações de calibração ou ajustamento;
  • informação disponível para os operadores – é um fator muito importante, dado que, operadores bem treinados e dotados das informações necessárias serão capazes de conseguir a produção definida, em termos de qualidade e tempo;
  • quando o recurso crítico diz respeito às máquinas, é fundamental ter informação rigorosa sobre como os processos estão a ser desenvolvidos e como deveriam ser executados – os desvios de tempo podem ser devidos à falta de informação ou de manutenção.
Tempos de Paragem

Relativamente aos tempos de paragem, deveremos rever as causas que as provocam: avarias, falta de informação e/ou falta de recursos.

 

Um dos aspetos fundamentais é a manutenção: como conseguir que as operações de manutenção sejam tão curtas quanto possível? Apostar na manutenção mais preditiva e preventiva, reduzindo a necessidade de manutenção corretiva.

 

Outro aspeto importante é ter a informação adequada e rigorosa no posto de trabalho, isto é, que operações devem ser feitas e como fazê-las. Na maior parte dos casos, é habitual existirem longas listas de operações a realizar no posto de trabalho – algumas das quais serão impossíveis de executar, uma vez que as operações que as antecedem não estão concluídas ou os recursos não estão disponíveis. Em consequência, regista-se um aumento de tempo na transição entre operações. Assim sendo, ter uma boa organização e planeamento da produção, juntamente com a informação-chave, é de importância vital para diminuir os tempos de paragem.

 

Em suma, existem dois sistemas em que se buscar a excelência: a manutenção e qualidade, de forma a que as atividades de manutenção e qualidade não demorem mais tempo ou custem mais do que as melhorias que trazem.

Captura de dados: quando a eficiência é fundamental!

Para alcançar todos estes objetivos, será necessário ter disponível informação sobre como se está a produzir para se poder decidir que melhorias implementar e que resultados se irão obter.

 

Mais uma vez, será necessário selecionar um sistema de recolha de dados eficiente e que não envolva tarefas manuais de baixo valor acrescentado, que, por conseguinte, reduzam a eficiência e produtividade.

Necessita mais informações sobre o OEE? Contacte-nos, clicando no botão abaixo, e esclareceremos a todas as suas dúvidas!

Artículos recomendados

Sqédio by Ibermática | Controlo de Qualidade eficiente

Como assegurar um controlo de qualidade eficiente nas empresas?

Vivemos num contexto em que os clientes são cada vez mais exigentes e obrigam a responder a critérios cada vez
SEGUIR LEYENDO
Sqédio by Ibermática | Benefícios do Controlo de Qualidade

Os Benefícios do Controlo de Qualidade

As ferramentas de controlo de qualidade contribuem decisivamente para a melhoria da produtividade e eficiência. No artigo de hoje, vamos
SEGUIR LEYENDO
Sqédio by Ibermática | Como tornar-se uma Empresa 4.0

Como tornar-se uma Empresa 4.0 em função do processo industrial?

No artigo que publicámos recentemente sobre “Indústria 4.0: o caminho rumo à Empresa 4.0”, abordámos a necessidade se perspetivar esta
SEGUIR LEYENDO